Votorantim Cimentos

Você busca conteúdos exclusivos sobre o mercado da construção civil?

Inscreva-se grátis e receba nossa newsletter.

Publicado em 04/01/2020Tipos de argamassas: entenda as diferenças
Cada aplicação requer um tipo diferente de argamassa. Créditos: Shutterstock

Tipos de argamassas: entenda as diferenças

Saiba como especificar a argamassa ideal para o seu tipo de aplicação

Por Nathalia Lopes

 

A argamassa é primordial para qualquer tipo de construção. Composta por uma mistura de cimento, areia e aditivos químicos, ela pode ser utilizada para o assentamento de tijolos e blocos, impermeabilização e regularização de superfícies, ou para dar acabamento às superfícies, seja ele texturizado, áspero ou liso.

Para qualificar a sua aplicação, seja qual for ela, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) estabelece parâmetros normativos para algumas propriedades do material – como trabalhabilidade, retenção de água, teor de ar incorporado e resistência de aderência, por exemplo.

O ideal é que quando ela estiver em estado plástico, apresentará boa trabalhabilidade e capacidade de retenção de água adequada para garantir a hidratação do cimento, enquanto em estado endurecido deve apresentar boa resistência de aderência ou ao cisalhamento e boa resiliência.

 

Aplicações dos tipos de argamassas

Para contemplar todas as aplicações possíveis, existem inúmeros tipos de argamassas. Para Lucas Harb, gerente de Desenvolvimento Técnico da Votorantim Cimentos, você deve responder duas perguntas antes de escolher o tipo ideal: qual o tipo de revestimento? Qual o tamanho do revestimento?

As principais utilizadas atualmente no mercado da construção são: argamassa colante, argamassa de grauteamento, argamassa de assentamento, argamassa de revestimento e argamassa para pisos.

Conheça um pouco sobre cada um desses tipos e para quais aplicações essas argamassas são direcionadas, respectivamente.

 

  • Argamassa Colante

De acordo com o professor João Carlos Gabriel, coordenador do curso de Engenharia Civil da Universidade Presbiteriana Mackenzie (Campinas), as argamassas colantes são classificadas em 4 tipos: AC-I, AC-II, AC-III e AC-III E.  “Cada argamassa colante ou industrializada tem a sua propriedade específica devido ao seu traço e quantidade tipo de aditivo”.

João explica que as argamassas AC-I são mais resistentes aos esforços, temperatura e umidade em ambientes internos, podendo ser aplicada em áreas úmidas ou secas. Lucas Harb complementa: “Um diferencial da ACI da Votomassa é que ela pode ser utilizada em ambientes mais úmidos, como cozinhas e banheiros. Pouquíssimas argamassas deste tipofazem essa aplicação”.

A argamassa AC-II tem boa adesividade e resistência à umidade e temperatura, e é utilizada, principalmente, em fachadas, revestimentos de piscinas e aplicação de pisos cerâmicos em áreas públicas. Já a argamassa AC-III tem melhor aderência que as AC-I e AC-II. Por isso, pode ser aplicada em locais como saunas e piscinas de água quente, por resistir melhor à variações de temperatura.

Por fim, a argamassa AC-III E é uma variante da argamassa anterior. Um detalhe é que o tempo de cura dela é maior. No Papo Construtivo sobre patologias em revestimentos de fachada, a equipe da MPD Engenharia utilizou a AC-III E. Confira como foi aqui.

 

 

  • Argamassa de Grauteamento

A argamassa de grauteamento, normalmente, recebe uma adição de superplastificante para deixar o graute superfluído e facilitar a trabalhabilidade do projeto.

“Esse tipo de argamassa é utilizada para fazer bases para pequenas máquinas e algumas estruturas, além de servir para preencher cavidades”, explica João.

 

  • Argamassa de Assentamento

Segundo o professor do Mackenzie, a argamassa de assentamento deve promover aderência entre os elementos de vedação ou estruturais como tijolos e blocos. “Ela deve promover a aderência entre os elementos, ter resistência estrutural, ser impermeável para dificultar a higroscopicidade e, por isso, não devem ser adicionados aditivos”.

 

  • Argamassa de Revestimento

A finalidade da argamassa de revestimento é cobrir, nivelar e proteger as alvenarias de fechamento estrutural e também a parte inferior da laje.

Sua aplicação, normalmente, é realizada em três camadas que cumprem diferentes papéis. A primeira camada é conhecida como chapisco e serve como base de todo o revestimento evitando que as demais camadas descolem. A segunda é chamada de emboço que preenche buracos, nivela ou adiciona relevo à superfície. Já a terceira, conhecida como reboco, é opcional e varia de acordo com o resultado que você deseja para a sua parede.

“É ideal que essa argamassa seja fácil de manusear e deve ter a propriedade de não escoar facilmente quando aplicada”, diz Gabriel.

 

  • Argamassa para pisos

“A argamassa para assentamento de pisos deve promover a aderência entre o contrapiso e o piso”. Pode ser utilizada em pisos, cerâmicas, ladrilhos e outros materiais utilizados no piso.

 

O que a escolha errada da argamassa pode acarretar para a obra?

De acordo com Lucas, o problema mais comum é o desplacamento do revestimento, acarretando em retrabalho, maior tempo de obra e maior custo. Entretanto, segundo o professor do Mackenzie, a má-escolha pode levar também a fissuras, trincas, e fragilidade na adesão de tijolos e blocos..

 

Veja mais sobre como diferenciar os tipos de argamassa aqui:

https://www.mapadaobra.com.br/gestao/diferenciar-tipos-de-argamassas/

 

 

Compartilhe esta matéria

Como fidelizar o cliente através de experiências

Entenda o consumer experience!

Mapa da Obra - E-book
X