Publicado em 29/01/2014Cimento queimado no banheiro: elegância

Cimento queimado no banheiro: elegância

Não há limites para o cimento e o concreto, nem mesmo nos banheiros. Confira ideias!

As cerâmicas e as pedras costumam reinar absolutas nos banheiros. Mas saiba que elas não são a única opção. Dá para compor ambientes bonitos, aconchegantes, rústicos e modernos ao mesmo tempo, além de funcionais, empregando concreto nas estruturas e bancadas. E também é possível fazer o banheiro de cimento queimado. 

“O efeito vai depender sempre do repertório do usuário – para alguns dará uma cara industrial, para outros, rústica. Outros ainda vão enxergar um lado mais bruto, cru, e há ainda alguns projetos em que o concreto ficará como coadjuvante, numa atitude neutra, tendo outros elementos como influência mais dominante”, diz o arquiteto Gustavo Calazans, um dos precursores do aproveitamento do concreto aparente na decoração. Ele integra nossa galeria com um projeto em que vigas e pilares ficam à mostra.

Outros projetos aproveitam a versatilidade do cimento queimado, caso dos banheiros assinados por Túlio Xenofonte. “A vantagem do cimento queimado no banheiro é o fato de ser um material que pode revestir tudo, criando um conceito de ‘caixa’: piso, parede, teto, bancada, banheira…”, ressalta o arquiteto.

Banheiro de cimento queimado: estética e praticidade

Em todos os casos, o que fala alto é o resultado estético, a relação custo-benefício e a praticidade de manutenção – sem juntas, não se cria limo nem infiltrações na área de banho. Há, claro, desafios também, como o de executar cuidadosamente a elétrica e hidráulica, e dar acabamento em torno de válvulas e ralos antes da aplicação do cimento queimado, já que esse tipo de acabamento não permite correções, retoques e remendos. Com um bom planejamento, dá para ter um banheiro de concreto sem dor de cabeça e com visual surpreendente. Confira!

Conteúdo publicado no Casa.com.br

 

Quando o cimento não hidrata de forma adequada, o resultado pode ser trincas e fissuras aparentes. Saiba como evitar!

Botão Site

 

  • Na reforma do apartamento, a arquiteta paulistana Laura Reily decidiu retirar toda a antiga cerâmica do piso e das paredes do banheiro da suíte e trocar pelo cimento queimado. “Quando eu era pequena, meu tio construiu uma casa de veraneio em Vinhedo e só usou materiais rústicos. O piso da sala e dos quartos era de tijolo e nas áreas molhadas ele usou o cimento queimado com um pequeno recorte de pastilhas de cerâmica formando um tapete. Foi essa lembrança do verão que me guiou na escolha”, conta Laura, que é membro da comunidade CasaPRO. O principal desafio, segundo ela, foi aplicar o cimento queimado também nas paredes. “O desenho ficou bem manchado pela dificuldade de fazer o acabamento na vertical, mas essa é a principal graça também.” - Foto: Divulgação
  • Ao invés de usar a tradicional pedra na bancada, a ideia dos arquitetos André e Mariana Weigand, do AM Studio, em São Paulo, foi aproveitar os materiais e a mão de obra já disponíveis por conta da reforma geral. “Escolhemos a bancada em concreto, pois era uma solução rápida, simples e barata”, conta Mariana. Para deixá-la flutuando, as ferragens foram engastadas direto na parede. O resultado rústico e bem natural do concreto cria um contraste interessante com o mosaico de azulejos coloridos e espelhados - Foto: Luís Gomes
  • Para a arquiteta e moradora Lívia Cavalca, um espaço pequeno como o de sua quitinete (apenas 28 m2) pedia um piso contínuo. E ela escolheu o cimento queimado – até para o banheiro - pela praticidade na manutenção e pela tonalidade cinza, que agrada o gosto da arquiteta. Dada a pequena área, não foram necessárias as juntas de dilatação, o que contribuiu para o visual contínuo e a sensação de amplitude. Como proteção na área molhada, o piso recebeu resina específica. “No meu caso, está aplicado há um ano e meio e a aparência é a mesma desde a execução!”, conta Lívia - Foto: André Fontes
  • A opção do arquiteto paulista Diego Revollo foi padronizar os revestimentos deste apartamento de 105 m2 para ganhar amplitude. E o cimento queimado, escolhido por agradar do ponto de vista estético e pela relação custo-benefício, se estendeu ao banheiro. Está no piso, nas paredes e até no teto. “A vantagem do ponto de vista estético é ter um material sem emendas ou juntas, com aspecto monolítico”, ressalta Diego - Foto: Salvador Cordaro
  • Pensando num casal jovem, a arquiteta Cris Negreira, do escritório paulista Estúdio On, apostou na junção das pastilhas vermelhas ao visual do cimento queimado para decorar o banheiro. “Essa associação de tons é moderna e combina com o astral dos proprietários”, afirma a arquiteta. Apesar de o revestimento escolhido para piso e paredes da área molhada ter sido o porcelanato que imita cimento queimado, o concreto aparece em estado natural na bancada, acompanhando o restante do visual - Foto: Salvador Cordaro
  • A banheira de alvenaria, aberta para o quarto, também foi revestida com cimento queimado, mantendo o padrão dos outros cômodos. “O único cuidado está na escolha da resina nas áreas molhadas”, lembra Diego. Apesar de monocromática, a decoração ficou elegante e o apartamento, aconchegante - Foto: Salvador Cordaro
  • Um dos precursores da prática de revelar estruturas de concreto, o arquiteto Gustavo Calazans, de São Paulo, costuma deixar aflorar essa herança modernista até em banheiros. Como neste projeto, em que vigas e um pilar foram incorporados à decoração. “O que me agrada muito no concreto aparente, quando fruto de uma estrutura revelada, é que imprime um estilo sem que tenhamos de colocar nenhum revestimento: é um trabalho de subtração”, conta. Para garantir que o visual natural do concreto seja preservado, o arquiteto recomenda o uso de um bom hidrofugante, para evitar que a água penetre no material. “Uma resina ou um verniz também funcionam, se for feito teste para averiguar possível alteração do aspecto do concreto - mais escurou, ou molhado” - Foto: Salvador Cordaro
  • Para realizar o desejo do morador de ter uma banheira, foi necessário roubar um pedaço da sala. E, ainda assim, o banheiro continuou pequeno, com 3,66 m2. A solução para dar a impressão de amplitude veio com o revestimento de cimento queimado, que, além da banheira, aparece no piso e numa das paredes. “Escolher materiais simples e uniformizar o visual do ambiente traz a impressão de que o espaço é maior. O mesmo vale para o espelho, que duplica a área”, afirma o arquiteto Túlio Xenofonte, de São Paulo, responsável pelo projeto - Foto: Salvador Cordaro
  • Este lavabo seguiu o visual brutalista que os proprietários optaram para a casa toda. Apesar do nome, essa corrente arquitetônica dos anos 50, que propunha deixar aparente a estrutura das edificações, também dá espaço para “leveza” e “harmonia”, e o estilo caiu bem no banheiro, com o cinza suavizado pelo piso de peroba-mica. As paredes de concreto, com acabamento bruto, foram moldadas na própria obra em tábuas de pinho de diferentes tamanhos e espessuras. “O desafio foi fazer a elétrica e hidráulica antes, pois depois de concretado, não poderíamos quebrar pra corrigir nada. Esse tipo de acabamento não permite correção”, aponta o arquiteto fluminense Ricardo Serzedello - Foto: MCA Estúdio/Denilson Machado
  • Mais um projeto com cimento por todos os lados do apartamento, e no banheiro não seria diferente. O acabamento de cimento queimado reveste piso e paredes, que foram impermeabilizadas. Cuba, bancada e prateleira inferior são de concreto moldado na obra. “Fazemos as fôrmas de madeira e preenchemos com essa massa. Depois de seca, tiramos o molde e a estrutura está pronta para ser instalada. É fácil e prático”, aponta o engenheiro Claudio Alexandre, que trabalhou no projeto assinado pelo arquiteto Sebastian Gómez. A iluminação pontual, sobretudo a que vem de trás do espelho, valoriza a textura irregular e rústica do cimento. O resultado é um ar industrial, reforçado pela simplicidade dos acabamentos, mas que não perde em requinte - Foto: MCA/Leonardo Costa
Compartilhe esta matéria

Veja também

X