Publicado em 15/08/2016Votorantim Cimentos participa da construção do Parque Olímpico, no Rio de janeiro
O Centro de Tênis é uma das construções que integram o Parque Olímpico

Votorantim Cimentos participa da construção do Parque Olímpico, no Rio de janeiro

Empresa forneceu mais de 180 mil m³ e desenvolveu mais de 50 traços de concreto para atender todas as demandas do Parque Olímpico

O coração dos Jogos Olímpicos Rio 2016, o Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, é o principal polo de competições da cidade e sedia 16 modalidades (Basquete, Ciclismo de Pista, Ginástica Artística, Ginástica de Trampolim, Ginástica Rítmica, Handebol, Judô, Luta Greco-Romana, Luta Livre, Nado Sincronizado, Natação, Polo Aquático, Saltos Ornamentais, Taekwondo, Esgrima e Tênis), além das nove modalidades paralímpicas (Basquete em Cadeira de Rodas, Bocha, Ciclismo, Futebol de 5, Goalball, Judô, Natação, Rugby em Cadeira de Rodas e Tênis em Cadeira de Rodas), em uma área de 1,18 milhões de metros quadrados.

A Votorantim Cimentos foi a responsável pelo fornecimento de insumos para sua construção e desenvolveu mais de 50 traços de concreto para a obra, o que resultou no fornecimento total de 180 mil m³ de concreto. Para se ter uma ideia, esta quantidade  equivale a cerca de 420 milhões de quilos ou mais de 22 mil caminhões betoneira carregados de concreto.

Segundo o engenheiro João Marcos Lyrio Ramos, do Desenvolvimento Técnico de Mercado da Votorantim Cimentos, o desafio foi muito grande, pois as exigências eram específicas para cada arena, projeto e etapa da construção. “Para as fundações desenvolvemos concretos resfriados com gelo. Esse tipo de concreto foi utilizado em blocos de grande volume. O cimento, quando inicia seu processo de reação química com a água, gera calor. Esse calor em excesso pode ocasionar problemas na estrutura, como fissuras. Para evitar que as temperaturas atingissem patamares prejudiciais, utilizamos concretos resfriados a uma temperatura de 16°C enquanto a temperatura ambiente do Rio era, nesse período, superior a 30°C. Foi um grande desafio, pois tínhamos que trabalhar, além da logística interna, a logística com o nosso fornecedor de gelo. Já na etapa estrutural, desenvolvemos traços para os concretos pré-moldados, com elevada resistência em algumas horas. Para o International Broadcast Center (IBC), local destinado à Imprensa, desenvolvemos um concreto específico para pisos, com tempo calculado para início e final de pega”, explica João Marcos.

Para atender a demanda e agilizar algumas etapas da obra, medidas especiais foram tomadas, tais como o desenvolvimento de um concreto  autoadensável (CAA), que elimina a necessidade da mão de obra de vibração e agiliza a concretagem; produção de um traço de concreto com pigmento vermelho para uso nas ciclovias; e instalação de uma central de concreto dentro do Parque Olímpico.

Assim como em outras grandes obras, a construção do Parque Olímpico trouxe também desafios logísticos devido às inúmeras frentes de trabalho e obras acontecendo simultaneamente. Para a construção da passarela dos atletas, por exemplo, com fornecimento de 1.100 m³ de concreto por dia, foi necessário o apoio da Unidade de Jacarepaguá, através de uma logística bem articulada. Além disso, as exigências contratuais também demandaram atenção especial, como a análise de resistência do concreto e sua classe de consistência, realizada em cada caminhão de concreto fornecido, a verificação das documentações e o controle de acesso ao canteiro de obras.

Por fim, o Parque Olímpico foi entregue no dia 15 de maio e, após os Jogos, este será transformado em um amplo complexo esportivo e educacional, destinado a estudantes da rede municipal e atletas de alto rendimento.

Consciência ambiental

Praticamente todo o concreto produzido para o Parque Olímpico utilizou o cimento tipo CPIII-40-RS da Unidade de Santa Cruz-RS. Esse tipo de cimento, além de adequado tecnicamente para a obra, possui uma característica ambiental muito importante: sua composição possui cerca 55% de material reciclado, a escória de alto forno. Nenhum outro cimento do Rio de Janeiro poderia atender esta obra de forma tão apropriada, e com uma pegada ecológica tão baixa, quanto este cimento da Votorantim.

“Não sabíamos que o tema ambiental, a emissão de gás carbônico, iria ser tão destacado na abertura das Olimpíadas, mas, ao assistir o espetáculo, tive a certeza de que desde a primeira concretagem tivemos as atitudes corretas, a começar pelo cimento escolhido”, finaliza João Marcos.

O Prêmio Master Imobiliário reconhece destaques do setor de construção civil. A Votorantim Cimentos concorre na categoria Oportunidade Estratégica.Botão Site

 

Compartilhe esta matéria

Veja também

X