Publicado em 24/08/2017Traço de concreto projetado garante fluidez e baixo desperdício
O concreto projetado é usado em obras de reparo estrutural, no revestimento de túneis, passagens e galerias, assim como na contenção de encostas.Créditos: wandee007 / shutterstock.com

Traço de concreto projetado garante fluidez e baixo desperdício

Cimento, água, agregados e aditivos são especificados em função das necessidades do projeto e do método de projeção

A alta velocidade de execução e a possibilidade de aplicação em locais de difícil acesso tornam o concreto projetado muito utilizado em obras de reparo estrutural, no revestimento de túneis, passagens e galerias, assim como na contenção de encostas. Esse material possui características especiais que viabilizam sua aplicação diretamente sobre a superfície, dispensando a necessidade de formas. Produzi-lo corretamente requer um estudo de dosagem que leve em conta as particularidades da aplicação. Isso é imperativo para assegurar resistência, trabalhabilidade e produtividade, como mostramos nesta reportagem que faz parte da série Traço de Concreto.

 

Estudo de dosagem

Assim como ocorre com o concreto convencional, o projetado também pode ser dosado de acordo com as necessidades de cada projeto. A especificação desse material é pautada pela ABNT NBR 14.026 – Concreto projetado – Especificação.

Os cimentos e agregados utilizados costumam ser os mesmos de concretos de linha comum, salvo quando há algum tipo de reação. “Se os agregados forem reativos (RAA), pode ser preciso usar adições como microsílica ou metacaulim e/ou o uso de cimento como o CPIII, CPIV”, afirma a engenheira Naguisa Tokudome, consultora técnica da Votorantim Cimentos. A especificação também pode demandar o uso do cimento RS quando o solo tem a presença de sulfatos.

Aditivos aceleradores de pega e superplastificantes são largamente empregados na composição de concretos projetados. “Para aferir à mistura características especiais, como alta resistência, pode-se pensar em um traço com adição de sílica ativa, que irá conferir maior coesão à mistura, ajudar a prevenir possíveis reações dos agregados com os álcalis do cimento, além de reduzir significativamente o seu calor de hidratação”, diz Pedro Bilesky, engenheiro da PhD Engenharia. Ele lembra que fibras de aço e de propileno também são muito utilizadas na elaboração de concretos projetados como recurso para elevar a resistência.

 

Técnicas de projeção

Há dois métodos de aplicação do concreto projetado: por via seca e por via úmida. A opção por uma ou outra técnica impacta diretamente o estudo de dosagem do concreto.

No processo por via seca é feita uma mistura de cimento e agregados. A água é adicionada somente no momento da aplicação por uma entrada no bico projetor. Já por via úmida, o concreto é preparado de modo convencional, com adição de água antes da projeção.

Mais recorrente, a aplicação a seco tem como vantagens o uso de equipamentos mais acessíveis e de manutenção mais simples. No entanto, essa técnica gera poeira e está mais suscetível a elevadas taxas de reflexão (quantidade de concreto que não adere à superfície e é desperdiçado). Por isso, pode-se dizer que a projeção a seco exige um operador mais experiente, capaz de fazer ajustes durante a aplicação.

Com emprego mais recente no Brasil, a via úmida é mais aproveitada em obras que envolvem grandes volumes de concretagem, como no revestimento de túneis. Essa metodologia permite um melhor controle sobre a qualidade do concreto, bem como menor índice de reflexão. Porém, costuma apresentar maior relação água/cimento. Consequentemente, as resistências tendem a ser menores para um mesmo consumo de cimento.

Em geral, os traços projetados via úmida apresentam maior proporção de areia quando comparados a traços convencionais. “Quando o concreto é projetado por via úmida, o usual é empregar aditivo plastificante para dar abatimento à mistura e, no momento da projeção, adicionar o acelerador de pega”, comenta o engenheiro Vicente Bueno Verdiani, consultor do departamento de desenvolvimento técnico de mercados da Votorantim Cimentos.

“Já o concreto projetado via seca costuma utilizar brita zero, consumo de cimento acima de 400 kg/m³ e teor de argamassa acima de 60%”, informa André Tavares Simoni, coordenador de tecnologia da Engemix.

 

Controle de qualidade

Independentemente da técnica de aplicação, os concretos projetados devem ter seus traços estudados, testados e, se necessário, ajustados em campo. Nas obras onde estão previstas muitas dificuldades executivas, a saída pode ser construir um protótipo (mockup) em escala real no próprio canteiro. “O objetivo é analisar possíveis entraves de execução, desde o fornecimento do concreto até a sua aplicação e acabamento”, explica Bilesky. Segundo o engenheiro, concretagens com inclinações mais acentuadas e áreas com maior acúmulo de armaduras costumam ser as mais críticas.

O concreto projetado também é bastante influenciado pelo desempenho da máquina de projeção. “Por isso, a recomendação é que os testes sejam feitos sempre com o equipamento que será utilizado na aplicação”, alerta Verdiani. Uma das consequências da generalização do traço do concreto, sem considerar as características de cada equipamento, são os índices de reflexão maiores.

Com relação à resistência à compressão, o controle de qualidade do concreto projetado se dá pela extração de testemunho das placas moldadas ou de trechos do concreto projetado da estrutura. “A extração também permite medir outros parâmetros de qualidade, como espessura da camada projetada, se há fissuras na camada projetada, se houve segregação do concreto na projeção, se existe infiltração de água etc.”, conclui Verdiani.

 

Obras de infraestrutura demandam também, muitas vezes, técnicas específicas, como o Jateamento de concreto. O método acelera o trabalho.

 

Diagrama do processo de projeção por via seca

Diagrama do processo de projeção por via úmida

 

Fonte: Boletim técnico “Concreto Projetado: O controle do processo de projeção”, elaborado pelos engenheiros Antônio Domingues de Figueiredo e Paulo Roberto do Lago Helene.

 

 

Compartilhe esta matéria

Veja também

X