Publicado em 14/05/2013Toyo Ito é Pritzker

Toyo Ito é Pritzker

Arquiteto japonês vence prêmio considerado “Nobel da Arquitetura” de 2013

O japonês Toyo Ito, de 71 anos, levou o Pritzker 2013 – prêmio internacional mais cobiçado da arquitetura. Elogiado pela ambição de seus projetos, o júri o definiu como um “criador de edifícios atemporais, que funde seu design com uma dimensão espiritual, cuja poética transcende todo seu trabalho”. O prêmio foi anunciado no último mês por Thomas J. Pritzker, presidente da Fundação Hyatt.

“Inovação” é a palavra que melhor descreve as obras de Ito. No VivoCity, em Cingapura, o concreto desenha leves formas orgânicas. Para ele, cada projeto é único, individual – o Domo, em Odate, e a Torre dos Ventos, em Yokohama, refletem sua inspiração na tecnologia.

“Embora tenha erguido um grande número de edifícios em sua carreira, a meu ver, Ito esteve o tempo todo dedicado a um só projeto – alargar os limites da arquitetura. Para atingir a meta, ele não hesita em desapegar-se das suas conquistas passadas”, resumiu o jurado Yung Ho Chang.

O arquiteto premiado dirige o escritório Toyo Ito & Associates Architects desde 1972, e se dedica ao ensino da arquitetura. Também conhecido por seus projetos públicos, o “Home-for-All” (“Lar para todos”) foi notório: trata-se de uma série de pequenos espaços comunais construídos para abrigar vítimas do tsunami que assolou o Japão em 2011.

No começo de sua carreia, durante os anos de 1970, projetou residências. Já na década seguinte tentava acabar com o significado convencional de seu trabalho, desenvolvendo uma leveza na arquitetura que se assemelhasse ao ar e ao vento.

A cerimônia de premiação ocorrerá no dia 29 de maio, no John F. Kennedy Presidential Library and Museum, em Boston, Estados Unidos. A cada ano, um profissional da arquitetura é eleito para receber o Pritzker, uma medalha de bronze e US$ 100 mil. Toyo é o sexto arquiteto japonês a receber o prêmio, tendo sido precedido por Kenzo Tange, em 1987, Fumihiko Maki, em 1993, Tadao Ando, em 1995, e Kazuyo Sejima e Ryue Nishizawa, em 2010.

Projetos devem ser acompanhados por arquiteto e urbanista habilitado. Saiba mais!

Botão Site

 

Compartilhe esta matéria

Veja também

X