Publicado em 12/04/2016Reuniões entre Sebrae e BNDES debatem nova linha de crédito para microempresas
Cerca de 78% das microempresas do País serão beneficiadas com empréstimos de até R$ 30 mil por ano

Reuniões entre Sebrae e BNDES debatem nova linha de crédito para microempresas

BNDES negocia linha de crédito para microempresas que faturam até R$ 360 mil; taxas devem ficar em 25% a.a.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apresentou ao Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) uma proposta de nova linha de crédito para microempresas, com faturamento de até R$ 360 mil por ano. A linha poderá beneficiar 78% das microempresas brasileiras, com empréstimos de até R$ 30 mil por ano.

O objetivo inicial era chegar a taxas de juros de 18% ao ano. Bancos federais como o Banco do Brasil (BB) e a Caixa Econômica Federal (CEF), no entanto, ainda estão negociando com o BNDES e fazendo ajustes para que a taxa ao tomador final seja mais vantajosa que as atualmente oferecidas pelas financeiras.

Segundo informações da assessoria de imprensa do Sebrae, tudo indica que as linhas crédito para microempresas terão um custo próximo de 25% a.a. – o que, para o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, já pode ser considerado uma “evolução”, embora não seja o ideal.

A proposta prevê que os empréstimos do crédito para microempresas sejam garantidos por fundos – Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), Fundo de Garantia de Operações (FGO) e Fundo de Aval da Micro e Pequena Empresa (FAMPE).  A nova linha de capital de giro está sendo planejada para reduzir a burocracia (deverá dispensar a apresentação de alguns documentos) e facilitar o acesso ao crédito. “Queremos uma operação autossustentável com foco no pequeno. Não é subsídio, nem assistencialismo”, afirmou Afif durante encontro com o BNDES.

O Sebrae tem trabalhado com o Ministério da Fazenda pela liberação de mais recursos dos depósitos compulsórios ao Banco Central e do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).  O BNDES anunciou também que o prazo para amortizar o Cartão BNDES deve ser ampliado de 48 para 60 meses. Outros ajustes estão sendo estudados a fim de aumentar a atratividade do cartão, sem onerar o cliente final, a exemplo do uso do FAMPE como garantidor.

Saiba como o planejamento de tributos pode interferir nos seus lucros e impacta diretamente no preço dos produtos

Botão Site

Compartilhe esta matéria

Veja também

X