Publicado por Carla Rocha em 02/11/2020Paving Expo: Futuro da infraestrutura brasileira
Hoje o Brasil possui 1,7 milhões de km de malha rodoviária e cresce 1,5% ao ano o número de rodovias pavimentadas.Créditos: Shutterstock

Paving Expo: Futuro da infraestrutura brasileira

Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, destacou desafios sobre os próximos passos para o setor crescer

Durante a Paving Expo 2020, realizada virtualmente pela primeira vez por conta da pandemia do Coronavírus, o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, trouxe pontuações relevantes sobre o futuro da infraestrutura brasileira, além de discorrer sobre a importância do setor e da necessidade de garantir as taxas de retorno e cumprimento de contratos para os investidores internacionais. “Nós fomos muito competentes em manter a economia pulsando e a queda de juros. Isso é muito interessante em termos de apetite para infraestrutura”, destacou.

Hoje o Brasil possui 1,7 milhões de km de malha rodoviária, que cresce 1,5% ao ano, sendo que do número de rodovias pavimentadas, apenas 12% a 13% são trafegáveis. Atualmente, no país, existem grandes oportunidades de crescimento e o Governo pretende ampliar em até 25 mil km as rodovias sob concessão até 2022. De acordo com o ministro, o Governo realmente precisa recorrer a iniciativa privada porque não existem recursos financeiros suficientes.

Ainda de acordo com ele, apenas uma pequena parcela das rodovias é pavimentada e para mudar isso, o primeiro passo foi a manutenção das obras com a devida segurança, chegando ao mês de setembro com 66 obras entregues. “Então, mesmo com tantas obras entregues ainda há muito que fazer e para isso é preciso de muito planejamento”, ressaltou. Na ocasião, ele falou que o foco para este ano e para o próximo é a continuidade dos projetos que já estavam em andamento antes da pandemia como as concessões e as conclusões de empreendimentos que vinham parados há muito tempo e também o impulsionamento institucional. “Podemos esperar um 2021 com mais investimento de aproximadamente R$ 70 bi em infraestrutura”, ressaltou.

 

A importância do planejamento para o desenvolvimento da infraestrutura

 

 

As previsões para o próximo ano são de obras novas para combater mazelas antigas, conforme disse o ministro. “O nosso foco é fechar frentes, mas em um cenário com poucos recursos a estratégia do fracasso é pulverizar dinheiro. Obra barata é obra rápida, ou seja, entregar as frentes que estão abertas para abrir espaço para novos projetos”, destacou. Outro ponto destacado pelo ministro foi a aprovação do novo Marco Regulatório do Saneamento, que deve alterar a realidade de 30 milhões de brasileiros sem acesso a água potável.

A Expansão da Malha Ferroviária também foi abordada com muito otimismo. “O que vamos ver acontecer no setor ferroviário não aconteceu nas últimas décadas onde as ferrovias sofreram com endividamento. Logo, a principal estratégia do Ministério possui três frentes: concessões, renovações e prorrogações de contrato. Para melhorar a infraestrutura brasileira, é importante entregar o máximo de números de ativos para a iniciativa privada porque isso alivia o orçamento”, reforçou.

O tema também foi amplamente abordado durante o I Seminário de Infraestrutura realizado pelo Instituto Brasileiro do Concreto (IBRACON) que contou com a participação de grandes nomes do setor de infraestrutura brasileira e do Diretor de Marketing, Vendas e Operações de Concreto da Votorantim Cimentos, Hugo Armelin. Para conferir a apresentação completa, acesse: Perspectivas Infraestrutura no Brasil: uma visão do futuro.

Principais obras de infraestrutura previstas para 2021

A capacitação dos profissionais para realizar projetos em BIM, por exemplo, foi outro ponto de destaque levantado pelo ministro. Sabendo disso, a demanda por profissionais mais qualificados estará em ascensão. O objetivo atual é dar sequência as obras que já estão em andamento, além da expansão da malha ferroviária brasileira, com a Norte-Sul, Oeste-Leste, Ferrogrão, e também das obras que estão paradas há mais de 10 anos e que serão retomadas como a BR-101 nordeste, a BR-116, a pavimentação da BR-135, a BR-135 no Maranhão, a pavimentação da BR-319 Amazonas, a duplicação da BR-304 e a BR-280 em Santa Catarina. Além disso, também estão previstas para o próximo ano novas concessões de 22 aeroportos. “Estamos na direção correta, agora é terminar o que já está em andamento para depois iniciar novos projetos”, enfatizou.

 

Confira também a nossa matéria especial sobre o Novo Marco Regulatório do Saneamento:

https://www.mapadaobra.com.br/inovacao/marco-regulatorio-saneamento/

 

 

Compartilhe esta matéria

Veja também

X