Publicado em 23/08/2019Orçamento de obras: 5 passos para desenhar de forma assertiva
A elevação dos custos de materiais durante o período de obra também deve ser observadoCréditos: Shutterstock

Orçamento de obras: 5 passos para desenhar de forma assertiva

Realizar o estudo de mercado com o objetivo de obter resultados mais assertivos é fundamental

O orçamento de obra é uma das etapas mais desafiadoras da construção de um empreendimento. Além de ser o mais assertivo possível, é preciso considerar todos os detalhes do projeto e realizar comparativos de custos de sistemas e produtos, para obter economia. Para o professor Vinícius Maróstica Alberto, do curso de Engenharia Civil do Instituto Mauá de Tecnologia, são diversos os fatores a serem considerados ao fazer o orçamento de uma obra. Resumidamente, os principais são:

  1. Tipo e local da construção: o orçamento pode variar muito de acordo com o tipo de edificação (Residência, Edifício, Galpão e etc.), a técnica construtiva adotada (Alvenaria Estrutural, Estrutura Convencional, Pré-moldado, Estrutura Metálica e etc.) e a localização do empreendimento.
  2. Conferir as quantidades: ver e rever o quantitativo da obra é fundamental para que não sobre e nem falte no orçamento final, inviabilizando o empreendimento.
  3. Atentar aos prazos: dependendo do prazo disponível para execução das obras, equipes maiores ou menores devem ser dimensionadas, assim como mobilização e desmobilização de equipamentos, que impactam diretamente nos custos finais.
  4. Relação com o cronograma e planejamento: a velha máxima de que “tempo é dinheiro” também vale na obra. Atrasos significam aumento nos custos, portanto o orçamento da obra deve, sempre que possível, contemplar eventuais atrasos, de modo a resguardar a viabilidade do empreendimento.
  5. Custos indiretos: por fim, não se esquecer de computar os custos indiretos referentes ao BDI, impostos e custos administrativos.

Estudo de viabilidade econômica

O estudo de viabilidade econômica deve ser basicamente composto de quatro fatores principais:

  1. Custos: sendo estes diretos e indiretos tanto de construção, quanto de eventuais manutenções.
  2. Benefícios: valores monetários de benefícios, podendo ser estes os valores esperados na venda de apartamentos no caso de um edifício, ou ganho aos usuários de uma estrada no caso de uma obra de infraestrutura viária, por exemplo.
  3. Período de análise: qual o tempo que se espera o retorno deste investimento.
  4. Taxa interna de retorno: taxa calculada que considera custos e benefícios do empreendimento. A sua função é indicar a viabilidade do empreendimento.

 

Principais custos

 

Resumidamente, os principais custos são: os diretos, ou seja, todos os custos diretamente ligados ao empreendimento tais como projeto, materiais, mão de obra, equipamentos e etc. “E os custos indiretos que, conforme dito anteriormente, se referem aos impostos, custos administrativos e BDI”, destaca. Outro ponto importante a ser destacado referente ao orçamento de obra é realizar o estudo de mercado com o objetivo de obter resultados mais assertivos,  “sempre se recomenda a verificação no mercado, geralmente por meio de, no mínimo, três orçamentos, dos custos de materiais e mão de obra”, destaca o docente. A elevação dos custos de materiais durante o período de obra também deve ser observado, bem como outros fatores, como disponibilidade de recursos e estocagem. Para obras de longa duração pode ser um fator a ser considerado.

 

A LIG é uma alternativa complementar às fontes tradicionais de recursos utilizadas para o financiamento de imóveis. Quer saber mais? Acesse: https://www.mapadaobra.com.br/negocios/funding-lig/

 

 

Compartilhe esta matéria
18223

Veja também

X