Publicado em 23/09/2014O potencial da venda de materiais de construção online

O potencial da venda de materiais de construção online

Poucos consumidores compram materiais de construção pela internet; inverta as estatísticas

No Brasil, a venda de materiais de construção pela internet ainda é fraca, mesmo entre usuários já habituados ao e-commerce. Na net, a preferência é por produtos de alto valor, como eletrodomésticos, eletroeletrônicos e informática, e segundo pesquisa do IBOPE Inteligência, encomendada pela Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica (Anfacer) e pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), apenas 4% dos consumidores têm iniciativa espontânea de comprar online materiais para suas obras.

A boa notícia é que já há uma procura fiel por sites que divulgam materiais de construção, mas o interesse maior é pelos preços. Àqueles que patrocinam esses sites de venda online, a próxima tarefa é fazer maior divulgação do serviço, para estimular as vendas.

O trabalho de conquistar o cliente online será, portanto, do próprio revendedor que lança seus produtos na rede. O desafio está em minimizar as resistências deste consumidor, oferecendo a ele condições mais seguras para uma boa experiência de compra – 69% dos entrevistados na pesquisa do IBOPE afirmaram que comprariam materiais de construção online, em condições ideais; desses, 34% comprariam cimentos e argamassas pelos sites.

Uma das reclamações correntes dos entrevistados foi a impossibilidade de visualizar, nos sites, a procedência, e certificar-se quanto à qualidade dos produtos anunciados. Para resolver este problema, é importante que o comerciante tenha a aprovação das marcas fornecedoras, para sua divulgação no site da loja.
O consumidor também afirmou ter dificuldades em comprar material de construção sem antes ter um contato direto, manuseando o produto – e sem poder esclarecer dúvidas com um vendedor.

Para o IBOPE, isso aponta à necessidade de promover uma integração entre site e loja, com indicação de pontos de venda, próximos de cada cliente, para que ele possa se deslocar e ver o material pessoalmente. Vale ainda disponibilizar online catálogos de produtos com informações técnicas e atendimento de suporte à venda.

Para quem já investiu em sites de venda, e ainda não teve resultados muito animadores, o consolo é que todo o mercado caminha nessa direção – um caminho aparentemente sem volta. A aposta é que nos próximos anos, toda a concorrência tenha de buscar o ambiente virtual para incrementar vendas.

Portanto, o investimento inicial tem de ser visto como oportunidade de acelerar a corrida e sair à frente de lojas vizinhas. O IBOPE recomenda também a prospecção de clientes potenciais para vendas online com o cadastro dos emails de todos os consumidores que passarem pelas lojas – e dar início a intensa campanha de divulgação do sistema de vendas de materiais de construção pela internet.

Números do e-commerce de materiais de construção

A pesquisa promovida pela Anamaco e pela Anfacer revelou que 19% daqueles que buscam materiais de construção na internet usam esse meio para pesquisar preços, e 7% deles querem se inteirar sobre novos produtos e lançamentos, antes de irem às lojas. Os sites acabam atuando mais como um ponto de pré-venda, já que 74% dos entrevistados afirmaram que fazem suas compras nas lojas, apesar de acessarem as páginas online, e 87% deles admitiram pesquisar preços antes de fechar negócio.

Quase a totalidade dos consumidores pauta as suas pesquisas em preço de produtos (97%), e não na sua qualidade. Apenas 11% coloca a qualidade como critério de avaliação para a pesquisa.

Um alerta para quem entra na esfera virtual de vendas é que 60% dos consumidores, hoje, estão nas redes sociais (Facebook), e têm o hábito de xeretar a opinião alheia sobre os produtos que pretende comprar. Por isso, também vale a pena ficar atento sobre o que se comenta das marcas e do atendimento prestado, tanto na loja, como no próprio site de vendas.

 

Você abriu um novo ponto de venda de materiais de construção? Então está na hora de pensar nos canais de distribuição de produtos ao cliente que pretende implantar. Botão Site

Compartilhe esta matéria

Veja também

X