Publicado em 19/11/2013O pedreiro que abriu uma biblioteca

O pedreiro que abriu uma biblioteca

A biblioteca comunitária de Evando dos Santos já conta com 17 mil títulos

O pedreiro Evando dos Santos só aprendeu a ler aos 15 anos, quando chegou ao Rio de Janeiro. Como ele mesmo conta, nunca aprendeu a escrever direito, mas fala de literatura com imensa facilidade. O interesse pela leitura começou de pequeno, quando viu, numa feira de Aquidabã (SE), um cordel pela primeira vez. Desde então, sua relação com livros se tornou uma mania.

Evando levava a vida trabalhando em obras quando, ao entrar numa loja para consertar vazamentos, viu uma pilha de 50 livros sobre o balcão. “Perguntei ao dono da loja se eram para doação. Ele me deu os livros na hora. Fiquei muito feliz e pensei em dividir conhecimentos. Entre os títulos estavam História do Brasil, de Pedro Calmon, uma coleção completa, em dez volumes, de Os Titãs, e Os Sertões, de Euclides da Cunha”, relembra. Era o início do que viria a ser, no futuro, a Biblioteca Comunitária Tobias Barreto, no Rio de Janeiro.

Confira a entrevista completa com o pedreiro que é inspiração:

Mapa da Obra – Como surgiu seu interesse pela literatura?
Evando dos Santos – Sempre amei os livros, mesmo sem saber ler. A primeira coisa que aprendi a ler foi a Bíblia, com a ajuda do pastor José Evangelista de Oliveira, da Igreja Batista. No trabalho de pedreiro, conheci Dernival Pereira Santos, também pedreiro, que me apresentou autores como Machado de Assis, Shakespeare, Sílvio Romero e Tobias Barreto. Procurei então aprender mais sobre esses artistas. Hoje leio em média 10 livros por mês.

Mapa da Obra – E de onde nasceu a ideia de abrir uma biblioteca comunitária?
Evando dos Santos – Na época em que ganhei os primeiros 50 livros, o Rio de Janeiro tinha apenas 22 bibliotecas municipais e quatro estaduais. A burocracia para fazer empréstimos era grande. A ideia da Biblioteca Comunitária Tobias Barreto era dar acesso mais fácil aos livros. Abrimos então o espaço em 1998, com 50 obras, e hoje já temos um acervo de 17 mil livros nas estantes, e outros 46 mil estocados na minha casa. Queremos ser um espaço para a divulgação da arte e da literatura. Quando não tem ninguém aqui, vamos à rua, oferecer leitura às pessoas. É para nos visitarem por prazer, porque precisam de um livro. Se levam emprestado e não devolvem, tudo bem. É sinal de que gostaram do que leram.

Mapa da Obra – O que há neste acervo?
Evando dos Santos – A Tobias Barreto tem algumas raridades da literatura, não apenas brasileiras, mas estrangeiras também. Uma delas é a gramática da língua bunda, que era falada por escravos angolenses vindos da África. Temos ainda um livro com capa feita de pele de carneiro, dos anos de 1.700. Nossos livros ficam organizados por assunto – Matemática, História, Geografia – e identificados.

Mapa da Obra – Como funciona a biblioteca?
Evando dos Santos – Não há restrições quanto à quantidade de livros retirados. Recebo muitas pessoas, de 5 a 80 anos, mas quem estuda para concursos são os que mais nos visitam. Recebemos em média dez pessoas, às vezes até quinze por dia. É a única biblioteca do Brasil que funciona de domingo a domingo, das 6h às 23h.

Mapa da Obra – Como a biblioteca é mantida?
Evando dos Santos – Era mantida por minha mãe. Com sua morte, passamos por algum aperto. Hoje tenho a ajuda de minha esposa, e contamos com empresas para enviar livros a outras cidades, onde novas bibliotecas comunitárias estão sendo montadas. Tenho dois mil títulos separados, que devem ser enviados a Aquidabã, no interior de Sergipe.

Mapa da Obra – Qual o seu autor preferido?
Evando dos Santos – Gosto do Tobias Barreto – por isso o escolhi como patrono da biblioteca. Ele trouxe o condorismo para a poesia brasileira – movimento romântico que explorou a temática das causas sociais. Também sou fã de Lima Barreto. Outro autor que admiro muito é Manoel Bonfim, que escreveu América Latina.

Mapa da Obra – Quais são os planos para o futuro?
Evando dos Santos – Queremos incentivar a abertura de novas bibliotecas como a nossa. Acreditamos que livros afastam crianças e adolescentes do caminho das drogas. Eles terão uma viagem diferente, conhecendo histórias e lugares incríveis, sem sair de casa. Precisamos de parcerias para levar a ideia para todo o Brasil. Para ajudar, basta entrar em contato: (21) 2481-5336.

Leia mais um pouco sobre a história de Evando dos Santos no Jornal do Pedreiro.

5 NBRs que todo arquiteto urbanista tem que conhecer para exercer um bom trabalho. 

Botão Site

 

Compartilhe esta matéria

Veja também

X