Votorantim Cimentos

Você busca conteúdos exclusivos sobre o mercado da construção civil?

Inscreva-se grátis e receba nossa newsletter.

Publicado em 09/12/2019Concreto usinado x concreto virado em obra
Conheça as vantagens e desvantagens de cada modo de preparo Créditos: Shutterstock

Concreto usinado x concreto virado em obra

O concreto usinado é escolhido para grandes obras devido a sua resistência, enquanto o virado em obra tem uma performance melhor em pequenas construções

O concreto é um dos materiais mais utilizados nas construções. Isso se dá pela sua trabalhabilidade fluida, alta resistência e custo-benefício – características oriundas da simples composição, que leva basicamente areia, cimento, pedras britadas, água e aditivos especiais que variam de acordo com a aplicação final do produto.

Esses insumos podem ser misturados de duas formas: virado em obra, que como o próprio nome prevê, trata-se de um processo mais artesanal no qual o operador responsável determina utilizando baldes de medida a quantidade de cada insumo; ou usinado, respeitando as especificações de traço de cada estrutura com precisão.

 

Características: concreto usinado x virado em obra

Segundo Leonardo Menezes, engenheiro e diretor da Consciente Construtora, a maior diferença entre os dois é o controle rigoroso de qualidade que o concreto usinado proporciona.

Isso acontece porque, no caso desse concreto, no início de uma obra é feito o projeto estrutural que detalha as especificações necessárias, como FCK, traço e fator água/cimento. “Depois disso, as construtoras entram em contato com as concreteiras e passam essas informações para que o concreto venha exatamente sob medida para esse projeto”.

Essa avaliação é imprescindível, porque além da qualidade, a quantidade de cada insumo reflete diretamente no traço final do concreto. “Um concreto com uma resistência maior tem a tendência de ter um teor de cimento maior e um teor de brita maior”. O mesmo acontece com o controle da umidade da areia e da água, que às vezes é realizado até eletronicamente, por meio de silos.

Já sobre o concreto virado em obra esse controle nem sempre é tão sistemático. “Você pode até determinar o volume por meio das guardiolas, mas ainda assim o processo fica mais empírico. A quantidade de água não necessariamente está sistematizada, de repente você faz um traço com uma quantidade de água maior ou menor, de acordo com o operador”, esclarece Menezes.

Além do controle de quantidade, Leonardo frisa que isso se entende também aos fornecedores. “Quando você faz um concreto virado na obra, normalmente, você compra areia de um determinado fornecedor, mas se o preço abaixa você opta pelo outro. Assim, às vezes a areia e a brita não tem a mesma qualidade”.

 

E agora, qual escolher para a minha obra?

Em construções de grande porte, o concreto usinado continua sendo campeão. “Sobretudo, na minha área que é de prédios verticalizados de multipavimentos (altos), esse controle em relação ao concreto é fundamental, por isso o usinado aparece como uma melhor opção”, explica Leonardo Menezes.  Para construções muito pequenas que vão utilizar pouco volume de concreto, pode-se cogitar o concreto virado, porém, vale lembrar que para obras de pequeno porte pode ser viável a contratação de concreteiras como a Engemix que, além de obras de grande porte, também oferece soluções para projetos residenciais de baixa escala e com maior prazo hábil para a conclusão.

Além disso, ele também é mais viável economicamente nesse cenário, pois em obras desse porte utiliza-se um grande volume de concreto e não seria possível fabricá-lo dentro do canteiro. “Precisaria de muitos sacos de cimento, várias betoneiras e uma equipe muito grande só dedicada a essa etapa da obra. E como hoje nós primamos muito a racionalização dos custos enquanto mantemos essa qualidade, seria inviável dedicar-se a isso e ainda assim não ter o mesmo resultado”.

 

Você sabe a diferença entre a alvenaria e o concreto armado? Leia essa matéria e descubra:

https://www.mapadaobra.com.br/capacitacao/alvenaria-concreto-armado/

Compartilhe esta matéria

Como fidelizar o cliente através de experiências

Entenda o consumer experience!

Mapa da Obra - E-book
X