Publicado em 18/02/2015Marketing e o conceito de arte na revenda

Marketing e o conceito de arte na revenda

Saiba como criatividade, arte e boa gestão podem atrair novos clientes e aumentar as vendas

Ao pequeno e médio revendedor, a realidade dos custos de investimento em grandes campanhas de marketing, com um bom conceito de arte, pode parecer algo muito distante daquilo que o bolso comporta. Entradas no horário nobre da televisão, vídeo institucional idealizado pelas melhores agências de propagada e dirigido por grandes nomes do cinema de Hollywood soam como absurdo – às vezes, falta caixa até mesmo para distribuir pequenos impressos pelo bairro, com as promoções da semana.

O importante é estar aberto às ideias que os gigantes concorrentes são capazes de colocar em prática, e aprender com eles. Exemplo é a nova campanha – milionária – da Leroy Merlin. Impensável para o pequeno e médio lojista de material de construção, ela traz algumas “mensagens” que são verdadeiras lições de marketing.

Primeiro, mostra que o revendedor deve conhecer seus produtos, compreender o público alvo e ousar na criatividade. Para buscar novos rumos de divulgação da loja, ele precisará saber quais são os itens que simbolizam sua revenda, e o que pode ser criado com eles.

Para o vídeo institucional que está na TV, a Leroy apostou na concepção de 14 instalações assinadas por artistas de intervenção urbana que “brincaram” com produtos encontrados nas lojas da rede, sob a curadoria de Eduardo Srur – um dos principais nomes desse viés artístico no Brasil. Tanto o vídeo quanto a trilha sonora escolhida – que adapta letra de Claudinho e Buchecha, interpretada por Adriana Calcanhoto – refletem o conceito de arte.

As instalações de Flávia Junqueira, Selvvva, Yoann Saura, Tulio Pinto, Laerte Ramos e Carol Gay, entre outros artistas brasileiros contemporâneos, interpretam desejos cotidianos das pessoas, e mostram como a variedade de produtos das revendas faz parte do imaginário de seus clientes. A ideia era inspirar o consumidor a ser, ele mesmo, artista de suas próprias reformas e construções.

Também quero!

Todo mundo quer, mas nem sempre dá para contratar os artistas urbanos mais renomados do mercado, ou um Robert Yeoman, diretor de O Grande Hotel Budapeste (2014), ganhador do Globo de Outro e indicado ao Oscar, para dirigir o seu vídeo publicitário.

A vantagem é que o conceito de arte não está atado apenas ao que será produzido com itens da loja, mas também na gestão do seu próprio negócio – ou do capital que poderá ser investido no patrocínio de um amigo artista plástico talentoso, não tão conhecido, mas que tenha criatividade para mudar a cara da revenda, atraindo ainda mais consumidores.

As criações podem ser muito bem aproveitadas para animar a sua vitrine, deixar o ambiente da loja bonito e agradável. A vitrine é uma ferramenta de comunicação visual importante: podem ser desenvolvidos minicenários com cimento, blocos de concreto, areia e placas em madeira informando sobre produtos e preços, inclusive com iluminação para dar um efeito especial.

A própria organização da loja, com disposição de produtos, poderá ser estudada pelo artista ou por um decorador contratado, para deixar o ponto de venda mais moderno e atrativo.

Se o revendedor não souber qual o melhor jeito de mudar a cara do seu espaço de trabalho, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) não só dá consultoria, como subsidia, em até 80% do valor, os custos da contratação de um profissional, que visita a loja e traz várias dicas.

Por fim, assista ao filme institucional da Leroy e inspire-se num jeito lúdico de mostrar todos os itens da sua loja. Acompanhe também na galeria de fotos!

Materiais para instalação elétrica são grande demanda nas obras e por isso são essenciais em revendas 

Botão Site

 

  • Redemoinho; obra de Eduardo Srur, intervencionista urbano – Foto: Andre Velozo
  • “Quinzena da Climatização”; obra de Yoann Saura é instalação com diversos modelos de ventiladores posicionados dentro de um domo de metal. Produtos funcionam com velocidades diferentes e controladas – Divulgação Leroy Merlin
  • “Quinzena dia dos pais”; Selvvva criou mandalas com ferramentas. O movimento de rotação da parafusadeira é o mote dessa instalação. Instrumentos com rotação, como parafusadeira e furadeira, provocam o movimento de outras ferramentas, gerando desenhos circulares no ar. Esses pequenos módulos cinéticos estão dispostos pelo espaço, presos a escadas de diferentes tamanhos, que criam caminhos e profundidades distintas para interagir com a instalação – Divulgação Leroy Merlin
  • “Quinzena faça você mesmo”; de Carol Gay. Ambiente tem mesa feita com trenas – Divulgação Leroy Merlin
Compartilhe esta matéria

Veja também

X