Votorantim Cimentos
Publicado em 21/04/2017Direitos dos trabalhadores da construção civil: CLT e Convenção Coletiva de Trabalho
Entre os direitos do profissional da construção está a jornada de trabalho no canteiro, que não deve ultrapassar 220 horas mensaisCréditos: Potowizard / shutterstock.com

Direitos dos trabalhadores da construção civil: CLT e Convenção Coletiva de Trabalho

Além dos benefícios garantidos pela CLT, empresas também devem cumprir o que determina a Convenção Coletiva de Trabalho

Férias remuneradas, 13º salário, seguro-desemprego e acesso ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) são alguns dos benefícios que trabalhadores de todos os segmentos têm graças à CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Na construção civil, são acordadas vantagens complementares na Convenção Coletiva de Trabalho.

“O documento é anual e assinado pela entidade patronal e pelo sindicato do trabalhador de cada cidade. Ou seja, as regras são municipais”, afirma o engenheiro Haruo Ishikawa, vice-presidente de Relações Capital-Trabalho e Responsabilidade Social do SindusCon-SP.

No caso do acordo paulistano, válido até 31 de abril de 2017, nenhum trabalhador sem formação profissional pode receber salários menores do que R$ 1.362,55. “Para os operários qualificados, como pedreiro, armador, carpinteiro, pintor e gesseiro, o piso é de R$ 1.657,53”, fala Ishikawa. Esses são os valores mínimos para cada função, entretanto as empresas podem oferecer remunerações maiores.

A jornada de trabalho no canteiro é de 220 horas mensais, resultantes de 44 horas semanais. O trabalhador pode fazer, no máximo, duas horas extras por dia, recebendo adicional de 100%. Valor complementar também deve ser pago quando existem riscos para a saúde no canteiro, sob forma de adicional de insalubridade. Se estiver faltando um ano ou menos para o trabalhador se aposentar, a empresa não pode demiti-lo sem justa causa.

Pela Convenção Coletiva de Trabalho de São Paulo, as empresas não são obrigadas a oferecer convênio médico. “Porém, temos o Seconci, serviço social do setor, que oferece consultas médicas e odontológicas. Ele é mantido pela contribuição do empregador, com valores correspondentes a 1% do salário de cada funcionário”, informa o engenheiro.

O vale-transporte é obrigatório, sendo que as construtoras podem descontar até 6% do salário do trabalhador, complementando o restante. Já com tíquete alimentação, a empresa tem a possibilidade de oferecer o benefício em dinheiro ou servir as refeições dentro do próprio canteiro. “Pela Convenção Coletiva de Trabalho, os operários devem receber café da manhã, almoço e lanche da tarde”, ressalta Ishikawa.

Por fim, as construtoras são obrigadas a fornecer os materiais necessários para cada atividade, como uniformes e equipamentos de proteção individual (EPIs). O engenheiro lembra que no site do SindusCon-SP está disponível a íntegra da Convenção Coletiva de Trabalho.

 

Funcionários que trabalham com concretagem também precisam de atenção especial, como segurança. Descubra quais são os pontos que você deve estar atento.

 

Compartilhe esta matéria

Mais lidas

Veja também

X