Votorantim Cimentos
Publicado em 19/09/2018“Retomada dos negócios está mais forte e deve aumentar busca da certificação”, afirma Manuel Martins
Imóveis sustentáveis, quando planejados, podem garantir economia em seu usoCréditos: Shutterstock

“Retomada dos negócios está mais forte e deve aumentar busca da certificação”, afirma Manuel Martins

Coordenador executivo da certificação AQUA-HQE fala sobre como os edifícios brasileiros estão se comportamento com relação à sustentabilidade

De acordo com informação da AQUA-HQE, o crescimento nas certificações avançou de 2016 para 2017 em 8,5%, mesmo com o conhecimento da crise que o setor da construção civil estava passando. Atualmente, os imóveis sustentáveis estão ganhando participação no mercado, funcionando como argumento de vendas para incorporadoras e também melhorando a visão que os acionistas têm sobre as mesmas. Elas apresentam capital aberto e, consequentemente, conseguem validar em seus relatórios de sustentabilidade, as premissas sustentáveis com uma certificação como a AQUA, de responsabilidade da Fundação Vanzolini ou a LEED, do Green Building Council Brasil.

Confira a entrevista com Manuel Martins, coordenador executivo da certificação AQUA-HQE sobre esse mercado e o panorama dos imóveis sustentáveis no Brasil e a certificação. 

MAPA DA OBRA – A redução dos lançamentos dos últimos anos impactou a procura por certificações sustentáveis?

Manuel Martins, coordenador executivo da certificação AQUA HQE/Divulgação Fundação Vanzolini

Manuel Martins – Nós tivemos uma crise que afetou fortemente a construção civil e, portanto, os lançamentos de edifícios residenciais e comerciais, desde a época da Copa do Mundo de 2014. De lá pra cá, o que aconteceu foi uma redução no ritmo de crescimento, então, a certificação AQUA-HQE continuou crescendo, só que em um ritmo mais devagar. O crescimento de 2014 para 2017 foi menor, mas nunca parou ou decresceu. Em 2017, foram apresentados sinais de retomadas dos negócios e um pouco mais forte em 2018, isso começa a se refletir em uma tendência de aumento pela busca da certificação.

MDO – Com relação à sustentabilidade aplicada aos imóveis, as construtoras que têm buscado a certificação estão se movimentado pela valorização por parte do consumidor final ou elas têm visto outros valores nessa conquista?

Manuel Martins – Elas têm visto a preferência. Não existe um valor financeiro maior do edifício por causa da certificação ainda, embora a certificação indique que foram tomadas todas as medidas que vão gerar economia depois tanto nas áreas comuns quanto nas áreas privativas, principalmente, em água, energia, conservação e gestão de resíduos, além do conforto e saúde dos usuários. Então, isso se manifesta hoje por meio de uma preferência.

As pessoas na área comercial já preferem os imóveis sustentáveis certificados e no residencial, que o AQUA tem uma entrada muito forte, já existe também esse primeiro fator de preferência que afeta a escolha e, como consequência, a própria velocidade de vendas. Outro ponto também é a imagem do empreendedor que no mercado, inclusive, para o índice de sustentabilidade econômica até da Bolsa de Valores, pode apresentar nos relatórios de sustentabilidade suas ações e se mostrar sustentável.

MDO – Já falando sobre custos, existe uma ideia de que implantar itens sustentáveis nos empreendimentos deve encarecê-los – principalmente, quando se pratica automações de sistemas. Essa ideia é real?

Manuel Martins – Depende. Quando é feito um planejamento com antecedência, a própria escolha do terreno, definição do empreendimento, diretrizes para o projeto arquitetônico, podem resolver muitos desempenhos de conforto e saúde com baixo consumo de sistemas prediais e que resultam depois, inclusive, em economias. Então, nesses casos, esse tipo de solução não tem custo adicional.

Já existem vários exemplos de edifícios climatizados pelos próprios sistemas prediais e pela arquitetura. Dependendo da situação do projeto isso é possível. Agora, quando o empreendedor considera que vale a pena para aquele público e tipo de empreendimento ter, por exemplo, aproveitamento de água de chuva e paisagismo que requeira menos podas e menos uso de água, usar aquecimento solar para água de chuva e outras coisas desse tipo, isso, evidentemente, tem um custo que não teria se não tivesse nada.

Se eu fizer isso e ainda demonstrar, por meio da certificação, isso vai ser valorizado no meu empreendimento para efeito de venda? Aos poucos, isso começa a acontecer. Acredito que daqui um tempo o mercado comece a exigir, da mesma forma que você não pode fazer um apartamento sem janela, você não poderá fazer imóveis sem isolamento acústico do piso, por exemplo.

MDO – E como o Brasil está posicionado com relação aos outros países no quesito de imóveis sustentáveis?

Manuel Martins – É difícil porque existem muitos lugares que possuem certificações locais dos seus países, então, há um número grande de certificações na Alemanha, na Inglaterra, no Japão, entre outros. Quando pega o HQE Internacional, o Brasil é o primeiro país na certificação, logo depois da França. Então, o Brasil não despreza essa questão. Embora, às vezes, relute por achar que pode custar mais e não confiar ainda na preferência dos clientes, apesar disso, no final, ele executa. Claro que estamos bem atrás de países desenvolvidos, mas estamos caminhando.

Descontaminação de solo abre oportunidades de investimentos em novos terrenos para incorporadoras

Botão Site

 

 

Compartilhe esta matéria

Mais lidas

Veja também

X