Publicado em 29/11/2016Custo Unitário Básico na capital paulista cresce 5,58% durante outubro
Com o cenário recessivo ainda dominando a economia, não há espaço para aumento de preçosCréditos: Christian Lagerek / shutterstock.com

Custo Unitário Básico na capital paulista cresce 5,58% durante outubro

Pequena alta de 0,04% no Custo Unitário Básico representa uma oscilação normal de preços

Levantamento feito pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e pela Fundação Getulio Vargas (FGV) indica que o Custo Unitário Básico (CUB) do setor, na capital paulista, apresentou variação positiva de 0,04% durante o mês de outubro último, na comparação com setembro. O CUB chegou, no mês, a R$ 1.295,64 por metro quadrado, uma alta de 5,58% no ano. No cálculo, os custos médios com mão de obra representaram 61,26%; materiais, 35,59%; e despesas administrativas, 3,16%.

Apesar da variação do Custo Unitário Básico, os números não representam alta, mas sim uma oscilação normal de preços dos diversos insumos que compõem a cesta pesquisada. “Com o cenário recessivo ainda dominando a economia, não há espaço para aumento de preços”, explica Eduardo Zaidan, vice-presidente de Economia do SindusCon-SP.

Obras com desoneração

A alta do CUB nas construções incluídas na desoneração da folha de pagamentos foi de 0,05% em outubro, se comparada com setembro. O valor atingiu R$ 1.201,02 por metro quadrado. Em 12 meses, o indicador chegou a 5,55%. Nesse tipo de obra, 58,20% nos custos estão relacionados à mão de obra; 38,39%, aos materiais; e 3,41%, às despesas administrativas.

Insumos

Seis itens analisados registraram altas acima do IGP-M (0,16%), sendo as maiores em chapa de compensado plastificado 18 mm (0,97%); areia média lavada (0,56%); e locação de betoneira elétrica 320 I (0,37%).

O concreto FCK=25 MPa, um dos materiais de maior relevância para cálculo do CUB, teve alta 0,25%. Por outro lado, o saco de 50 Kg de cimento CPE-32 apresentou queda de 0,49%. O preço do aço CA-50 Ø 10 mm ficou estável pelo terceiro mês consecutivo.

Mão de obra

Não houve registro de variações nos salários médios sem encargos sociais no Estado de São Paulo. Os rendimentos dos pedreiros continuam em R$ 7,47 por hora, e os dos serventes, em R$ 6,10. Os custos com engenheiros ficaram em R$ 47,63/h, já levando em consideração os encargos sociais.

O que é o Custo Unitário Básico?

Calculado pelo SindusCon-SP e pela FGV, o CUB é o índice oficial que reflete a variação dos custos mensais das construtoras para a utilização nos reajustes dos contratos de obras. A construção paulista representa 27,5% da construção brasileira, que, por sua vez, equivale a 5,3% do Produto Interno Bruto do Brasil.

Dispositivo evita desperdício de produtos e ajuda a economizar na hora de comprar materiais 

Botão Site

Compartilhe esta matéria

Veja também

X