Publicado em 03/03/2015Casa M, Argentina

Casa M, Argentina

Contraste entre texturas e volumetria modular marcam projeto arquitetônico em concreto

Com 320 m2 e implantada dentro de um loteamento privado, de acesso restrito, a Casa M dos arquitetos Juan Germán Guardati, Román Renzi e Virginia Kahanoff (Estudio Aire) localiza-se em Rosário, na Argentina – a cerca de 300 km da capital Buenos Aires.
“O desenvolvimento da cidade gerou um bairro cujo espaço público é muito pobre, em termos de aproveitamento e convivência sociais”, explica Guardati. Ficava difícil conceber uma arquitetura que tivesse vínculo estreito com a área comum da região.

“Nossa ideia voltou-se à preservação do que está circunscrito ao espaço doméstico de habitação”, justifica. As construções do entorno também não revelavam qualquer homogeneidade arquitetônica, com volumetrias e materiais que não se comunicavam de maneira harmônica. Isso levou a equipe de arquitetos a buscar um diálogo da casa tão somente com o lote onde se encontra.

Ao fundo, entretanto, há um lago artificial que determina o limite de todos os terrenos da vizinhança. “Os programas de convívio da Casa M se abrem para esse espelho d’água”, diz o arquiteto.

Definida a implantação e a relação da construção com o entorno, iniciou-se a concepção do projeto em si, que teve como eixo direcionador o que Guardati chama de “implicância espacial das operações formais”. Em outras palavras, o desenvolvimento da forma da casa foi totalmente adaptado às funções demandadas pela família.

Os arquitetos optaram por elevar dois volumes, sendo o superior a cobertura. “Essa peça começa aos 2,2 m de altura e se estende até os 4,4 m, gerando uma grande superfície que cobre todo o programa da casa”, conta. Volumes mais baixos, por sua vez, definem âmbitos privados da casa, compostos por dormitórios, cozinha, banheiros, lavanderia. “A casa é totalmente térrea.”

A topografia acima da cabeça dos usuários se revela sinuosa, em função da sobreposição dos volumes, o que contrasta com o desenho natural das planícies dos pampas argentinos. “Tudo isso se torna mais dramático graças à manipulação da iluminação natural, filtrada por claraboias distribuídas”, salienta Guardati.

Outro contraste é sentido entre a maneira como a residência se fecha para o exterior, mas abre-se em seu interior. Afinal, o programa de atividades privadas se desenvolve dentro de caixas, ou módulos, com dormitórios e banheiros se agrupando num volume maior, e cozinha, lavanderia e depósito entre dois menores.

O uso social é delimitado pela lacuna formada entre o teto e um fechamento vertical de vidro – transparente até o fundo do lote, e translúcido para as laterais.

Casa M e o uso de concreto

O concreto, material predominante na edificação, assume a função de elemento de sustentação estrutural, estrutura espacial e também de expressão arquitetônica. Ou seja, tem também um significado simbólico, ao permear interiores da construção, determinando os limites da área comum.

Uma das intenções é produzir novamente a oposição entre o rústico, o cru, o polido e o brilhante (vidro), ou o contraste entre o gesso (liso) e o concreto aparente. “A experiência do espaço se produz a partir da materialização de sensações diferenciadas e opostas”, pontua o arquiteto.

A obra é estruturada em concreto armado, inclusive nos pisos. O material foi deixado à vista para reduzir a demanda por manutenção. A casa conta ainda com duas colunas metálicas, que sustentam viga principal de apoio. Os pilares ficam disfarçados numa janela de fachada.

Conheça programa do governo que incentiva produção caseira de eletricidade 

Botão Site

  • A falta de um bom espaço público no bairro onde está implantada a Casa M levou os arquitetos do Estudio Aire a optar por uma arquitetura voltada para si mesma - uso dos espaços internos. A organização da estrutura em dois volumes, entretanto, cria contraste com o relevo natural de planícies dos pampas argentinos - Foto: Walter Salcedo
  • Concreto é o material que predomina na construção. Além de reduzir a quantidade de interfaces entre materiais diferentes, reduz também a necessidade de manutenção, porque é mais resistente - Foto: Walter Salcedo
  • Há apenas duas colunas de aço na estrutura da residência, mas que ficam ocultadas nas laterais da janela da frente. A Casa M está num bairro de Rosário, Argentina. Projeto do Estudio Aire - Foto: Walter Salcedo
  • Juan Guardati, arquiteto responsável pelo projeto da Casa M, acredita que a experiência da arquitetura se desenrola a partir da percepção de contrastes. Por isso, o interior da casa promove um diálogo entre texturas lisas (vidro e gesso) e revestimentos rústicos e ásperos (concreto aparente) - Foto: Walter Salcedo
  • Mesmo nos dormitórios é presente o contraste entre texturas lisas e ásperas dos materiais expostos. O projeto para a Casa M, do Estudio Aire, também promove a interação do espaço interno com o terreno - Foto: Walter Salcedo
  • Casa M conta com aberturas superiores que permitem a entrada da iluminação natural em abundância. Com projeto de Estudio Aire, em Rosário, Argentina - Foto: Walter Salcedo
Compartilhe esta matéria

Veja também

X