Votorantim Cimentos
Mapa da Obra - E-book

Você busca conteúdos exclusivos sobre o mercado da construção civil?

Inscreva-se grátis e receba nossa newsletter.

Publicado por Carla Rocha em 29/07/2020Guia de obra: fundações profundas para edifícios
É preciso considerar as características do solo para encontrar o tipo de fundação ideal.Créditos: Shutterstock

Guia de obra: fundações profundas para edifícios

Provas de carga que serão executadas são de extrema importância para validar as profundidades

As fundações são estruturas necessárias em todos os tipos de obra e desempenham um papel extremamente importante. Isso porque, elas são as estruturas responsáveis por transmitir as cargas das edificações para o solo e, para que esse processo ocorra de forma correta e adequada, elas precisam apresentar uma resistência que suporte todas as tensões daquele edifício. Além disso, é preciso considerar algumas variáveis necessárias para esse tipo de estrutura, como a necessidade de permanecer estática mesmo com a ação dos ventos, com a estabilidade controlada e sem rupturas. Para que tal estrutura realmente seja eficiente, é preciso também considerar a tipologia do solo. Ele precisa da rigidez e resistência adequadas para não sofrer com deformações causadas pela ação do tempo e que possam comprometer a construção.

De acordo com os engenheiros e projetistas do complexo mixed-use Gran Life Medical Complex, em Anápolis (GO), consultados pelo Mapa da Obra, antes de escolher o tipo de fundação indicado para cada obra deve ser realizado um estudo de viabilidade para que sejam avaliadas as seguintes variáveis: características do solo; nível do lençol freático; nível de carga aplicada; topografia do terreno; dados das construções vizinhas; custo e prazo de execução.

Ainda de acordo com os projetistas, em uma construção de edifício alto, por exemplo, podem ser considerados os tipos: tubulão; estaca pré-moldada de concreto; estaca metálica; estaca de madeira; estaca tipo franki; estaca tipo strauss; estaca ômega; estaca raiz; estaca escavada a seco e estaca hélice contínua monitorada.

 

Existem diferentes tipos de fundações para cada tipo de obra, por isso é fundamental conhecer os principais. Confira abaixo:

  

Fundações superficiais

São elementos de fundação em que a carga é transferida para o terreno, predominantemente através de pressões distribuídas sob a base da fundação. A profundidade desta escavação geralmente é inferior a três metros e são comumente utilizadas em cargas leves, tais como residências, ou em casos onde o solo é mais firme. Também estão inclusas neste tipo de fundação, as sapatas (seja associada ou corrida), radier, bloco, e também a viga de fundação.

 

Fundações profundas

Já as fundações profundas são elementos que transmitem a carga ao terreno através da base, pela superfície lateral ou, em algumas situações, por uma combinação de ambas. Utilizadas, geralmente, em casos de grandes projetos, tais como edifícios altos, onde os esforços do vento são significativos, e também em casos onde o solo só chega a resistência suficiente quando atinge grandes profundidades, geralmente, superiores a 3 metros – salvo algumas situações específicas. Os tipos mais conhecidos são as estacas, tubulões e caixões.

Ainda de acordo com as fontes consultadas, as sondagens são de extrema importância para se poder definir os parâmetros de solo, como coesão e ângulo de atrito, a serem considerados nos modelos de cálculos dos elementos de contenção. “A partir das sondagens é possível considerar que o solo de forma geral apresentaria um comportamento argiloso, podendo se considerar inicialmente em projeto uma coesão considerável”, ressaltam.

 

CASE: complexo mixed use Gran Life Medical Complex

Durante a sondagem do solo foram definidas algumas particularidades do projeto e do ponto de vista de fundações vale-se dizer que a baixa capacidade de carga nas primeiras camadas e o nível considerável de cargas da estrutura levou a conclusão de que fundações profundas eram as mais adequadas para o projeto em questão. 

No projeto de contenção, o nível de topo das vigas de coroamento sempre foi adotado pensando em não permitir um descalçamento na região da Igreja, que está construída na mesma quadra do empreendimento, para evitar o surgimento de qualquer fissura devido a algum deslocamento horizontal. Além disso, as estacas em hélice contínua tanto para contenção quanto para a fundação foram adotadas em detrimento de elementos cravados para evitar a vibração de uma igreja nas proximidades, o que poderia causar danos na mesma.

A principal diferença encontrada em levantamentos foram os parâmetros do solo de acordo com os dois ensaios de cisalhamento direto. Esses ensaios forneceram melhores parâmetros de coesão do que os estimados por meio da literatura existente, o que possibilitou a execução de um projeto mais econômico, eficiente e seguro. Vale lembrar que as provas de carga que serão executadas serão de extrema importância para validar as profundidades obtidas por meio de métodos semi-empíricos.


Descubra como foi realizada uma concretagem de grande volume para um bloco de fundação em Porto Alegre: https://www.mapadaobra.com.br/papoconstrutivo/concretagem-obra-do-pontal/

 

 

Compartilhe esta matéria

Tudo sobre o PCMAT!

Dicas para segurança do trabalho e muito mais!

Mapa da Obra - E-book
X