Votorantim Cimentos
Publicado em 14/10/2019Ponte estaiada x pênsil: entenda as diferenças
Ponte Estaiada Octavio Frias de Oliveira, em São Paulo, é uma das mais admiradas pelo mundo todo.Créditos: Shutterstock

Ponte estaiada x pênsil: entenda as diferenças

Além dos aspectos estéticos é preciso considerar a viabilidade de construção de cada uma dessas pontes

Todas as pontes, assim como viadutos, passarelas e túneis são chamadas na Engenharia de obra de arte especial. Dentre as pontes e viadutos existem tipologias como a treliçada, a de arcos, ou, que são as mais comuns, pênsil e estaiada. Embora essas duas últimas contenham um tipo de cabo de suspensão, elas diferem quanto à estrutura e construção.

Tanto a ponte pênsil como a estaiada têm mastros e tabuleiro – a “laje” sobre a qual passam os veículos. No caso da ponte estaiada, os estais que saem do mastro são ancorados diretamente no tabuleiro em nichos de ancoragem. Devido a sua angulação, eles podem sair do mesmo ponto no topo do mastro – o tipo “leque” – ou sair paralelos do mastro – tipo “harpa”.

Já na ponte pênsil há um cabo de aço principal e os cabos pendurais (verticais), os quais se ligam perpendicularmente ao tabuleiro. O cabo principal da ponte pênsil vai de uma ponta até outra, preso pelos mastros, e toma a forma de uma catenária  (figura geométrica formada quando um cabo é suspenso pelas extremidades e sofre a ação do próprio peso). Enquanto a componente vertical dos esforços é recebida pelos mastros, as forças de tensão são equilibradas por blocos de ancoragem, que ficam presos em cada extremidade do cabo principal.

A ponte pênsil tem outro elemento que pode ser visto como uma desvantagem, explica João Carlos Gabriel, coordenador do curso de Engenharia Civil da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas. “Ela precisa de uma viga de rigidez para evitar a oscilação provocada pelos veículos ou pela carga do vento. Por conta da oscilação, ela pode entrar em ressonância e ruir”.

Em contrapartida, o tabuleiro da ponte estaiada tem rigidez maior, podendo vencer vãos acima de 150 m. Por isso, “ela é indicada para locais com grande passagem de embarcações”, comenta Gabriel. Além disso, seu tempo de construção também é menor, quando comparada a outros tipos de ponte.

A ponte estaiada pode ser construída, por exemplo, com fôrmas deslizantes, ou por balanços sucessivos: a partir do mastro, cada elemento estrutural do tabuleiro vai sendo ancorado um após o outro. Já na ponte pênsil, é necessário iniciar as obras das margens para o centro.

Além das suas vantagens, há um argumento popular para a escolha de pontes estaiadas, que é a admiração que ela provoca. Existe um interesse das pessoas por essa estética, seja por conta da simetria da ponte, da harmonia com o ambiente, ou mesmo por ser diferente.

 

Conheça pontes estaiadas e pênsil no Brasil e no mundo

A ponte pênsil Tacoma Narrows foi inaugurada em 1º de julho de 1940 no estado de Washington, Estados Unidos, ligando a península de Kitsap com a cidade de Tacoma. Até hoje seu caso é estudado em cursos de Engenharia e de Física, pois sua estrutura sofreu ação do vento local e, por não ter vigas de rigidez, entrou em ressonância, passou a oscilar e ruiu. Seu colapso foi em 7 de novembro do mesmo ano.

Dentre as pontes pênsil de mais destaque mundial está a Golden Gate, que liga São Francisco a Sausalito (EUA). Aberta em 1937, tem elementos art déco e é feita de aço pintado de laranja. Mas a ponte pênsil com o maior vão do mundo é a Akashi-Kaikyo (Japão), 1,9 km de vão central (3,9 km de comprimento total), inaugurada em 1998.

ponte-pensil
Akashi-Kaikyo (Japão) inaugurada em 1998

No Brasil, uma das primeiras pontes suspensas foi a Ponte Pênsil de São Vicente, na Baixada Santista (São Paulo), inaugurada em 1914. Ela foi submetida a uma grande reforma de manutenção em 2015, que incluiu a troca dos seus 16 cabos de sustentação e substituição do piso, que era de madeira. Outra ponte de destaque fica em Florianópolis (Santa Catarina) – é a Hercílio Luz, de aço, inaugurada em 1926. É a ponte pênsil de barras de olhal mais longa do mundo, e foi tombada nas esferas municipal, estadual e federal como patrimônio histórico e arquitetônico.

No âmbito das pontes estaiadas, uma das mais reconhecidas nacionalmente é a ponte estaiada Octávio Frias de Oliveira, em São Paulo (SP), inaugurada em 2008 com um grande mastro em “X” de mais de 138 m de altura e 144 estais revestidos de polietileno amarelo. A Rússia é outro país com muitas pontes estaiadas, como a ponte da ilha Russky (2012), com o maior vão central do mundo, de 1,1 km. Porém, a ponte com os mastros mais altos é a francesa Viaduto de Millau (2004), que apesar do nome é uma ponte sobre o rio Tarn. Projetada por Norman Foster, seus mastros chegam a 342 m.

 

Você sabia que a Ponte Estaiada Octávio Frias de Oliveira foi construída com soluções da Votorantim Cimentos? Confira os detalhes do projeto e construção dessa obra icônicas: https://www.obrasiconicas.com.br/obras/os-estais-no-ceu-de-sao-paulo/

 

 

  • Ponte Estaiada Octavio Frias de Oliveira, em São Paulo, é uma das mais admiradas pelo mundo todo.
  • ponte pênsil com o maior vão do mundo é a Akashi-Kaikyo (Japão), 1,9 km de vão central (3,9 km de comprimento total), inaugurada em 1998
Compartilhe esta matéria

Mais lidas

Veja também

X