Votorantim Cimentos
Publicado em 29/02/2016Saiba mais sobre venda de materiais de construção na oitava reportagem da série Monte seu Negócio
Entrega a domicílio, obrigatoriamente, deve fazer parte dos serviços do e-commerce, mas no caso de loja física, é opcional

Saiba mais sobre venda de materiais de construção na oitava reportagem da série Monte seu Negócio

Quadro comparativo de venda de materiais de construção analisa custos do comércio eletrônico frente aos de uma loja física

Você abriu um novo ponto de venda de materiais de construção? Então está na hora de pensar nos canais de distribuição de produtos ao cliente que pretende implantar; ou, ainda, quais serão seus canais de vendas.

Primeiro, é preciso distinguir os tipos de venda de materiais de construção: venda direta, entrega a domicílio e e-commerce (comércio eletrônico). “Entrega a domicílio é um serviço que pode ser oferecido pelas lojas a partir da venda direta (balcão). No e-commerce, esse serviço já faz parte do processo de compra e pode ser terceirizado, embora a responsabilidade continue sendo do revendedor até a finalização da entrega”, explica o coordenador nacional de varejo de material de construção do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Maurício Tedeschi.

Apesar do serviço de entrega ser um custo a mais à operação, o investimento é uma estratégia para competir com grandes lojas, conquistar e fidelizar clientes.  No caso do comércio eletrônico, os custos são maiores: novos tipos de controles e pessoal se voltam à operação, e a gestão, tributária e logística (de entregas), terá abrangência nacional. “Agregar e-commerce à loja física é quase a mesma coisa que abrir uma filial da empresa, com gestão e perfil de clientes próprios”, diz Tedeschi. Para reduzir custos, é possível trabalhar com estoque de terceiros ou direto de fabricantes e distribuidores.

Em qualquer caso, agregar uma operação de e-commerce a partir da loja física implica novo planejamento, com estudo profundo de custos e viabilidade de operação. O empresário avaliará seu mix de produtos a partir de questões como dimensão, peso, durabilidade e até a perecibilidade dos materiais de construção para viabilizar o transporte sem onerar demasiadamente os custos. Traçar uma delimitação geográfica de atendimento também pode ser necessário. Quer ter uma noção de quanto trabalho dará? Confira o quadro abaixo! Para obter outras informações sobre planejamento da loja virtual no site do Sebrae.

Tabela

 

Compartilhe esta matéria

Mais lidas

Veja também