Votorantim Cimentos
Publicado em 28/12/2016Boa gestão do canteiro é fundamental para o sucesso da obra
Gestão do canteiro pede a participação de engenheiros que conheçam e acompanhem todas as frentes de serviçoCréditos: Pawel Papis / shutterstock.com

Boa gestão do canteiro é fundamental para o sucesso da obra

A prática estabelece o controle do fornecimento e do armazenamento de materiais, da movimentação de equipamentos e das ordens de serviço dos profissionais

A gestão do canteiro é fundamental para o sucesso da obra ao estabelecer a movimentação de materiais, equipamentos e profissionais que é própria do cotidiano de uma construção. Ela requer a participação de engenheiros que conheçam e acompanhem todas as frentes de serviço para garantir o cumprimento dos cronogramas.

A gestão do canteiro se inicia na fase de planejamento, quando são feitas análises do terreno que receberá as instalações e soluções construtivas, e ganha corpo com a montagem de guaritas, alojamentos, refeitórios e áreas para armazenamento de materiais (almoxarifados). O local deve ser bem projetado para não conflitar com o trânsito de pedestres e veículos leves e pesados.

Logística de suprimentos

A boa gestão orienta o setor de suprimentos na aquisição de produtos em conformidade com o especificado no projeto, de boa qualidade e por um preço competitivo; acompanha o fornecimento, da fábrica ao canteiro, de modo a garantir a entrega sem atraso; disponibiliza os veículos para que realizem o transporte adequado, do almoxarifado ao local de uso; e auxilia no armazenamento correto – areias e pedras, por exemplo, devem ficar em baias próprias, enquanto o cimento deve ser acondicionado em locais bem protegidos e de acordo com as recomendações da ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland).

A gestão também envolve o controle da demanda de materiais, pois o canteiro deve ter espaço apropriado para armazenamentos. Com isso, as compras devem ser feitas respeitando a programação da obra. Parcerias com bons fornecedores sempre são bem-vindas. A Votorantim Cimentos, por exemplo, tem o Sistema Matrix, que oferece soluções customizadas de fornecimento de argamassa industrializada para racionalizar o canteiro, contribuindo para o fluxo de armazenamento, transporte vertical e homogeneização do produto no próprio local de utilização.

Segurança: palavra de ordem

Prevenir acidentes no canteiro deve ser a principal preocupação dos gestores da obra. A NR 18 determina obrigatoriedades, como a sinalização dos ambientes, que precisa ser implantada para orientar o fluxo de pessoas e transporte de materiais. A utilização dos equipamentos de proteção individual (EPI) e coletiva (EPC), a locação de máquinas em bom estado e normatizadas, o treinamento de profissionais no uso dos sistemas construtivos e a obediência às técnicas de aplicação em conformidade com o mercado são outras medidas primordiais.

Também é recomendável conscientizar a equipe quanto a outras situações que envolvem os ambientes de trabalho, como a destinação adequada de lixo e a higiene dos alojamentos e refeitórios. Pode-se, ainda, promover campanhas, treinamentos e até mesmo cursos para contribuir com a especialização e o bem-estar dos operários.

Entre os principais riscos em um canteiro está a propagação do fogo, causada pela queima de lixo ou de qualquer outro material; andaimes e plataformas de trabalho sem componentes de segurança; poços, beiradas ou escavações expostas; queda de objetos; empilhadeiras sobrecarregadas; e trabalhos em altura sem segurança. Outro problema é o armazenamento indevido de materiais em calçadas ou em outros locais abertos pela falta de espaço no estoque, o que também pode oferecer risco de acidente.

Tecnologia para a gestão do canteiro

Para acompanhar o andamento do canteiro, a gestão pode tirar proveito de ferramentas tecnológicas. O mercado disponibiliza diferentes softwares e aplicativos que auxiliam na tarefa, otimizando as atividades, economizando tempo e reduzindo custos.

Essas ferramentas são, ainda, uma alternativa mais eficaz e segura para lidar com situações burocráticas, como o controle de contratos com funcionários, terceirizados, escritórios de engenharia e outras empresas de serviço que atuam na obra.

Práticas ambientais

A gestão do canteiro também considera os fatores ambientais, pois as condutas devem obedecer às normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), da CETESB e de outros órgãos relacionados. Nesse caso, deve-se garantir o uso consciente da água, a geração de resíduos e sua destinação correta, principalmente aqueles provenientes de demolição e construção (RCD), efluentes e materiais tóxicos.

A influência no prazo e nos custos da obra

A boa gestão do canteiro também impacta no cronograma e no orçamento de uma construção. Para evitar improvisações, recomenda-se que os gestores, em conjunto com o mestre e o encarregado da obra (que possuem conhecimento das questões críticas de um canteiro), realizem o projeto de implantação das estruturas, considerando tapumes – com suas medidas e quantidades –, barracões, silos, equipamentos de produção e de transporte.

Além disso, a execução de muros de divisa definitivos reduz custos com tapumes, assim como a instalação de gradis e muretas fixas para escadas e varandas, que evita gastos com proteções provisórias.

Já os serviços técnicos e administrativos operacionais também devem passar por análise prévia, de modo a garantir a quantidade de profissionais e a especificação adequada dos materiais. É necessário estabelecer o fluxo desses trabalhos, pois o bom andamento pode resultar em um prazo mais curto da obra.

Leia mais: É proibido utilizar celulares e smartphones em áreas de risco do canteiro de obra

Compartilhe esta matéria

Mais lidas

Veja também